South American Real Estate News

Christoph Jakob Ehrbar: “devemos visar mais a qualidade do vinho do que a quantidade”

This post is also available in: enInglês esEspanhol

Em 2001, Donald Hess decidiu reencontrar a adega mais antiga da Argentina. Ele, um suíço conhecido mundialmente por ser um empresário de sucesso do vinho, já tinha vinhedos nos Estados Unidos, Austrália e África do Sul, mas queria se estabelecer na América do Sul também. Ele foi para o Chile, mas ele achou muito semelhante à Suíça e sem uma história para contar, algo que ele descobriu neste outro lado da cordilheira. Depois de descartar Mendoza, ele se apaixonou pelos Valles Calchaquíes, em Salta, e mudou seu rosto para Colomé, que tinha sido criado em 1831. Precedida por esta história, Christoph Jakob Ehrbar, presidente e CEO do grupo Hess AG, Liebefeld-Bern, diz: “devemos visar mais a qualidade do vinho do que a produção em massa.”

Este executivo suíço, nomeado pelo próprio Hess para realizar as rédeas de sua operação nesta parte do mundo, diz que com o governo atual é mais apoiado do que o anterior e é por isso que seu grupo decidiu voltar a investir no país , com um desembolso de $30000000 este ano e o lançamento de um novo vinho. “será chamado de meu Colomé 1831 e será feito com as uvas das vinhas mais antigas”, diz ele.

-Há um fenômeno mundial que é que as pessoas consomem vinhos locais. É um sentimento novo e muito bom, porque indica que é difícil encontrar um vinho ruim e que a indústria é muito profissional. Vai para um consumo de menos quantidade, mas de maior qualidade em vinhos. O intervalo a ser manuseado é de cerca de US $25 por garrafa; As pessoas estão dispostas a pagar um pouco mais pelo que tomam. Além disso, a geração milenar tem paixão, está disposta a pagar um pouco mais e está interessado no que sua produção é. É por isso que você não tem que fazer coisas artificiais.

-Como é o vinho argentino hoje posicionado no mundo?

-a cultura Argentina em geral é bem vista no mundo. Nos países europeus, como a Suíça, por exemplo, não vai custar vender um vinho argentino, porque é muito bem visto e gera alguma semelhança com a Espanha ou Portugal, que estão perto. Lá, eles não comprariam um vinho chileno, que é tão longe quanto a Argentina, mas não tem essa imagem afetiva que os argentinos fazem. Aqui os produtores de vinho são muito bem educados e entendidos que a idéia é frescura, especialmente considerando que este mercado não foi superexplorado, como Chile e Austrália. É evidente que hoje temos de procurar mais a qualidade do vinho do que produzir em massa.

-vem de um processo inflacionário muito longo, o que fez com que o país deixasse de ser competitivo em certos segmentos de preços, como EUA $24. Isso levou a pouco volume, mas de maior qualidade. Ainda assim, ele continua a crescer, com exportações de mais de 20 milhões caixas (EUA $750000000; três anos atrás, era e.u. $580000000). Hoje, poucas vinícolas podem ser rentáveis, exportando segmentos abaixo de $30.

-Além disso, que vantagens e desvantagens você vê aqui?

-em desvantagens, restrições administrativas, restrições de importação e inflação. Em particular, é difícil para Colomé estar em Salta e ter de transportar o vinho através de distâncias muito grandes. Quanto às vantagens, eu vejo uma boa estrutura para exportar, com um produto bem visto em todo o mundo.

-Quais são as diferenças entre o governo atual e o anterior?

-como investidor activo no mundo dos negócios, sinto-me mais apoiado agora e vejo que os investimentos são mais facilitados. O governo está tentando ajudar as pessoas a investir aqui e criar novos empregos. Então, como um grupo, decidimos voltar a investir no país.

-Quanto você investiu e quanto você vai investir a partir de agora?

-EN 2018, $30000000. Ele está investindo em um centro de recreação em Cafayate, que dá uma nova maneira de experimentar os nossos vinhos Amalaya. Também investimos em uma máquina óptica de seleção de clusters, na reabertura da estadia e na divulgação da nossa marca. Temos uma história de 20 anos de investimento no país.

-como você vê a competição com cerveja aqui e no mundo?

-é uma tendência global, mas acho que todas as grandes fábricas de cerveja estão sofrendo, por sua vez, pelas cervejeiras artesanais emergentes. De qualquer forma, em algum momento vai haver uma depuração deste grande número de fabricantes de cerveja. Além disso, há uma outra tendência que remove os consumidores do vinho, como a ascensão dos espíritos. Agora, que disse tudo isso, eu acho que o consumo de vinho também está crescendo.

-como se lida com o negócio?

-40% da produção está destinada ao mercado interno (que no valor representa 32%), o restante é exportado 30% para a Europa e 30% para os Estados Unidos. O que estamos procurando é deixar uma pegada no mercado local, porque os nossos são vinhos destinados a restaurantes e pequenos vinhos. Na Europa há muita concorrência, por isso visamos mercados específicos, como a Inglaterra, a Suíça, a Alemanha e a França.

-Qual é o volume de produção das suas vinícolas [além de Colomé tem Amalaya]?

-Colomé, que está em moinhos, produz por ano 600.000 garrafas e Amalaya, que está em Cafayate, 1,4 milhões. Quando Hess compra Colomé ele descobre que uma das marcas foi Amalaya. Como essa marca começou a crescer muito, decidiu torná-lo independente e localizá-lo em outro lugar, que é ainda mais perto de Salta capital. Com tudo isso, o volume de negócios total do grupo, que emprega 140 empregados no país, é $300000000.

-deve a Argentina continuar a apostar em Malbec como uma capitânia ou tem que exportar outras variedades?

-Temos de continuar a investir em Malbec, porque, enquanto eu tenho esperança em outras variedades, como Torrontés, fora Malbec é o que ressoa mais em compradores. Além disso, entramos numa fase em que temos de começar a falar sobre regiões e mostrar como a Malbec é expressa de forma diferente em cada área vitícola. Por exemplo, salta é ainda o melhor lugar no país para investir em vinhos, porque as alturas que tem são únicas.

-o grupo investe em bens imobiliários em outros países. Há alguma hipótese de o fazerem aqui também?

-Sim, estamos interessados em investir em imóveis na Argentina. Mas aqui os preços são bastante elevados, por isso temos de ter cuidado e ver o que investimos.

-ainda produzem vinhos biodinâmicos em Colomé?

-Tivemos problemas com as formigas que comiam as vinhas. Tivemos que desistir da certificação que tínhamos e começou a colocar veneno para combater as formigas (esclareceu que o vinhedo não é pulverizado). Além disso, continuamos com práticas biodinâmicas. Teríamos que obter uma certificação novamente, mas desta vez em orgânico, porque as pessoas estão dispostas a pagar um pouco mais por produtos que não incluem produtos químicos em sua produção.

Fonte: la nascimento

Póngase en contacto con el equipo de Gateway to South America para conocer acerca de las mejores oportunidades de inversión en la región.

La compañía es un referente para inversores extranjeros que desean invertir en Argentina, Brasil, Chile, Paraguay, Peru and Uruguay, brindando asesoramiento especializado en adquisición de propiedades y tours de inversión.

A equipe do gateway-quando você é sério sobre a propriedade

Www.gatewaytosouthamerica.com

[AMAZONPRODUCTS ASIN = “3639554418” características = “1” locale = “com”]

(Visited 11 times, 1 visits today)
Geoffrey McRae

About Geoffrey McRae

Geoffrey McRae is the founder of GTSA - Marketing. He is a New Zealander with a strong Agro-business and Real Estate background spanning over 30 years both in his own country and South America. I hope you enjoy reading our news site. Please share it on your social media below.

Comments from our readers